Saiba quando acionar a Guarda Ambiental

Segurança Pública - Cotidiano Segurança Pública - Destaques

Caso o munícipe se depare com um animal silvestre, deve ligar para a Guarda Ambiental

A Guarda Ambiental Municipal está preparada para lidar com animais silvestres e insetos. Implementada há quatro anos, tem auxiliado munícipes com os procedimentos corretos em ocorrências deste tipo, além de orientar e fiscalizar.

De acordo com o inspetor Afonso, coordenador da Guarda Ambiental, quando o munícipe se deparar com qualquer tipo de animal silvestre ou bicho, é necessário entrar em contato com a Guarda Civil Ambiental. Desta forma, a equipe se deslocará até o lugar em questão e avaliará a situação, para dar o destino correto ao animal. “A Guarda Ambiental está preparada para atender a solicitação. Orientamos que os cidadãos acionem a nossa equipe, porque muitas vezes eles não sabem manusear o animal, podendo matá-lo ou machucá-lo, ou caso seja inseto, não sabendo se é peçonhento”, explica. “Vamos ao local, fazemos o transporte, pois temos caixa transportadora e todo o material necessário. Portanto, basta o munícipe telefonar”, complementa.

A Guarda Ambiental cuida do animal e o direciona ao destino correto. Quando não estão machucados, são devolvidos ao seu habitat natural. Quando estão feridos, são tratados e encaminhados para uma ONG. O inspetor ainda esclarece os erros que os munícipes cometem: “No caso das maritacas, por exemplo, estamos em um período de procriação (de setembro até março). Em cerca de 20 dias, os filhotes saem do ninho e vão embora. Se eles estão no telhado da casa, basta aguardar esse período. O que acontece é que antes disso as pessoas acabam pegando os filhotinhos e criando, mas depois quando começam a fazer barulho querem soltar e se desfazer. O problema é que o animal não está acostumado com a natureza e não consegue mais se adaptar a ela, sendo fadado a viver em cativeiro.”

Recentemente, uma moradora encontrou dois filhotes de maritaca maracanã caídos no chão e os levou até a base da Guarda Ambiental. Entretanto, o inspetor ressalta que em situações como essa, a equipe deve ser solicitada para comparecer ao local e, assim, responsável por realizar os procedimentos corretos de retirada.

As ocorrências mais comuns são de maritaca, papagaio, periquito, teiú (lagarto), coruja, abelha e marimbondo.

A Guarda Ambiental foi implementada em 2016, e desde então tem colaborado para um cenário ambiental melhor no município. “Aqui próximo a nossa base, antes as pessoas caçavam e matavam muitos bichos. Depois que a Guarda Ambiental foi instalada, por meio da fiscalização e orientação, isso parou de ocorrer. Agora percebemos que os animais voltaram a aparecer por aqui, como por exemplo, veado campeiro, quati, paquinha, jaguatirica, tucano, cachorro do mato, entre outros”, revela Afonso.

Para acionar a Guarda Civil Ambiental, basta telefonar para 153 ou 0800 008 11.