Várzea Paulista completa 50 anos com várias obras de melhoria em andamento

Obras - Destaques
Os destaques são os trabalhos: UPA (Unidade de Pronto Atendimento), contenção de enchentes no Córrego Bertioga, revitalização da Marginal do Rio Jundiaí, Pista de Caminhada e Ciclovia do Mursa e reurbanização do Parque Chico Mendes
 
 
A Prefeitura de Várzea Paulista prossegue – por meio de gerenciamento ou execução – com várias intervenções importantes em todas as regiões da cidade que completa 50 anos neste sábado (21). Ações importantes se destacam, como a construção da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e as ações de contenção de enchentes no Córrego Bertioga.
 
 
Obras da UPA 
 
As obras da Unidade de Pronto Atendimento de Várzea Paulista estão em andamento. Com o novo espaço, o atendimento médico no município passa a ter um serviço mais moderno e de maior qualidade, preparado para atender as demandas de urgência e emergência da cidade, como crises hipertensivas, febre alta, traumas, infarto, derrame, entre outros casos.
 
A UPA fará o papel do Pronto Socorro e inova ao oferecer estrutura moderna para atendimento de urgência, com raio-X, eletrocardiografia, pediatria, laboratório de exames e leitos de observação. O prédio terá 752 mt². Destes mais de 60 mt² serão de recepção, os consultórios ocuparão uma área de 49,84 mt² e o conforto dos médicos 38 mt². 
 
 
Contenção de enchentes no Córrego Bertioga
 
Os agentes da Secretaria de Infraestrutura Urbana iniciaram, no dia 16, as obras de drenagem entre o Córrego Bertioga e o Rio Jundiaí. A equipe fez uma limpeza superficial do local onde será escavado um novo canal de escoamento de águas pluviais, como explica o secretário da pasta, Renato Germano. “Vai se abrir mais um braço”.
 
De acordo com o gestor, a intervenção se faz necessária, pois, atualmente, a jusante do Córrego Bertioga se encontra com o Rio Jundiaí a praticamente 90º. Quando há volumes maiores de água, em razão das chuvas, a força do rio é maior e, em razão da angulação quase perpendicular, o volume do córrego acaba por regressar e ajuda a provocar alagamentos. 
 
Segundo Germano, o novo canal se encontrará com o Rio Jundiaí a 45º, de forma que o fluxo esteja bem mais próximo do sentido que o fluxo do rio estabelece. Dessa forma, não haverá mais a tendência de que as águas voltem e façam o caminho inverso, quando houver água em maior quantidade. 
 
O novo braço do Córrego Bertioga permitirá reduzir o tempo que as águas levarão para passar da jusante do Córrego Bertioga, quando seu volume for aumentado, para o Rio Jundiaí. “Vai acelerar de cinco a 10 minutos”, relata o secretário.
Segundo o gestor, a ação deve acabar com possíveis alagamentos no Jardim do Lar, no trecho do córrego próximo à Praça da Bíblia.
 
 
Sobre a obra
 
O novo canal terá aproximadamente 150 m de comprimento. A largura será de mais ou menos 7 m. O leito (parte mais baixa do canal) terá 4 m de largura. O tempo total de execução deve ser de três meses.
 
 
Outras intervenções importantes
 
A Fase 1 das obras do Córrego Bertioga, trabalho sob fiscalização da Prefeitura de Várzea Paulista, entre a Avenida Fernão Dias Paes Leme e a Avenida Ipiranga, teve sua conclusão no fim de janeiro. A construtora licitada asfaltou a área onde foram feitas as intervenções, para que a via possa voltar a ter o fluxo normalizado.
 
No início do mesmo mês, a empresa concluiu a tubulação complementar às 183 aduelas (canais de escoamento para águas pluviais), que constituem a parte mais complexa das obras de drenagem no local. Foi feita a interligação das novas instalações com o sistema de drenagem existente, na área de contenção pluvial próxima à Avenida Fernão Dias Paes Leme.
 
De acordo com o prefeito Juvenal Rossi, a obra é fundamental para a continuidade dos trabalhos do PAC 2 (Plano de Aceleração do Crescimento), na  outra  parte  do  Córrego,  na  Avenida  Bertioga.  Também será necessária uma intervenção junto ao Rio Jundiaí, em breve. 
 
Segundo o gestor, o aumento da vazão do córrego, em razão das obras de macrodrenagem do PAC 2  (recursos  federais)  poderia  ocasionar  enchentes  nas seções  próximas  à  Avenida  Ipiranga.  
 
Segundo o secretário de Obras e Urbanismo, Josué Santana, o término das intervenções no Córrego Bertioga possibilitará, em breve, o término definitivo de suas enchentes.
 
 
Contenção de enchentes
 
Além dos 183 metros de aduelas, a construtora instalou caixas pluviais e tubulação, entre outros trabalhos de drenagem, nas últimas semanas.
A empresa realizou nos últimos meses, sob fiscalização da Prefeitura, várias canalizações, com o fim de coletar as águas pluviais advindas dos bairros Jardim Continente e Jardim Gianfrancesco. As intervenções ocorrem, sobretudo, no trecho do Córrego Bertioga, a partir da Avenida Fernão Dias Paes Leme, com sentido à Avenida Ipiranga. Também foram feitas canalizações para o escoamento das águas de chuva vindas das ruas Atroaris (Vila Tupi) e Pontiguara (Jardim Gianfrancesco).
 
O total do investimento do Fehidro (Fundo Estadual de Recursos Hídricos) – Governo Estadual – é de R$ 1.807,420,69, dos quais R$ 530.598,06 serão custeados pela Prefeitura.
 
 
Novas melhorias para a Marginal do Rio Jundiaí
 
Recuperação da drenagem
 
Os agentes da Secretaria de Infraestrutura Urbana de Várzea Paulista dão continuidade à segunda parte da recuperação do sistema de escoamento de águas pluviais às margens do Rio Jundiaí. A equipe concluiu, na semana passada, a retirada de entulhos e a limpeza da área da jusante – deságüe no Rio Jundiaí – do trecho do Córrego da Rua Sorocaba. Também foi feita a remoção das aduelas e manilhas de concreto descoladas da tubulação existente (travessias e ladrão), antes da chuva torrencial, no fim de janeiro. 
 
De acordo com o gestor, esta semana, se não houver chuvas, já deverá ser iniciada a base de sustentação para a colocação de novas aduelas. Segundo o representante da pasta, Renato Germano, essa etapa tem sido cumprida com cautela, em razão das chuvas recentes. “O local recebe todas as águas pluviais da Região Norte”.
 
O solo também será compactado e, a partir de então, as duas travessias serão refeitas e reabertas e a parte quebrada do ladrão será devidamente reconstruída.
 
Por fim, será recuperado o pavimento destruído pela chuva, na secção interditada da Marginal do Rio Jundiaí. De acordo com o secretário, o sistema será totalmente recuperado nos dois lados da Marginal do Rio Jundiaí. Em 4 de fevereiro, uma limpeza do outro lado da Marginal (montante do trecho do córrego) deu início à obra. A frente de trabalho retirou a terra e a vegetação excessivas e fechou as duas travessias de aduelas danificadas pela chuva, para aumentar a vazão do Córrego. Assim, o fluxo de água na jusante foi diminuído – apenas o ladrão está em funcionamento – e a equipe teve condições de iniciar a intervenção principal, começada na quinta-feira.
Segundo Germano, se não houver chuvas, todo esse trabalho deve ser finalizado no final de março.
 
 
Tapa buracos
 

A Secretaria de Infraestrutura Urbana de Várzea Paulista iniciou, em 12 de fevereiro, a revitalização do asfalto da Marginal do Rio Jundiaí – sentido Campo Limpo Paulista. Segundo o secretário da pasta, Renato Germano, os agentes municipais fizeram a intervenção em um primeiro trecho da via, com o asfalto pronto, entre o Viaduto dos Emancipadores e o bairro Ponte Seca. O objetivo é evitar acidentes na via.
 
Foram empregadas 12 toneladas de asfalto, de acordo com o gestor. A ideia é fazer o mesmo processo, uma vez por semana, nos próximos meses, para revitalizar o asfalto da Marginal, em seus dois sentidos, no perímetro correspondente a Várzea Paulista. Dessa maneira, a equipe poderá atender outras regiões da cidade nos outros dias de cada semana.
 
 
Roçagem e limpeza
 
Na Marginal do Rio Jundiaí, A Prefeitura prossegue com o trabalho roçagem em um trecho significativo, em seus dois sentidos, que totalizará 12 km (ida e volta). Uma roçadeira mecanizada está sendo utilizada nesta semana. O trabalho na via foi iniciado em janeiro. “Já fizemos do bairro Ponte Seca até a Plasinco”, relata Germano.  
 
O trabalho é acompanhado pela Secretaria de Meio Ambiente. Segundo o secretário da pasta, João de Lima, sua frente de trabalho acompanha o trabalho de roçagem e faz a poda das árvores nas áreas que estão sendo limpas. “Nossa equipe de poda está junto”.
A Secretaria de Trânsito também participa da ação para realizar a sinalização e a orientação aos motoristas que transitam pela via, cujas encostas vêm sendo limpas. Segundo Germano, agentes de sua pasta passarão pelos locais que houverem sido limpos, para retirarem o mato retirado.
 
 
Pista de Caminhada e Ciclovia do Mursa
 
A construtora licitada já realizou realizando a terraplanagem e compactação do solo de aproximadamente 500 metros, sob fiscalização da Secretaria de Infraestrutura Urbana.  Segundo Germano, essa etapa é fundamental para ser lançado o concreto sobre o segundo lote da área, provavelmente até o final do mês, se as condições naturais permitirem. Além do asfalto, serão feitas guias.
 
Se as condições naturais permitirem, os trabalhos devem ser concluídos até o final de junho, de acordo com o secretário. “Após a preparação da base, são rápidas a concretagem das guias e a pavimentação da pista”. 
 
Ao todo, serão construídos 3,5 km de ciclovia e pista de caminhada, entre o Córrego Pinheirinho e o Orquidário. A obra será custeada por R$ 608.929,86 do Governo Federal; a Prefeitura arcará com as contrapartidas de R$ 44.697,46 e alguns serviços de correção de talude.
 
 
Obras do Parque Chico Mendes
 
A Prefeitura está dando andamento à quarta fase do convênio para a reurbanização parcial do Parque Chico Mendes, no Jardim Paulista. A construtora está fazendo o piso, no início da área do parque. 
 
Segundo Germano, os agentes da pasta iniciaram, em fevereiro, a limpeza da área interna do parque e das bordas do Córrego da Avenida Piqueri, para dar frente de trabalho à empresa. Se as condições naturais permitirem, o serviço será retomado.
 
O espaço vem recebendo plantio de grama, pela empresa licitada e uma pista de caminhada com ciclovia também está sendo feita pela construtora. Também já foi iniciado o fechamento de todo o perímetro do parque – 800 metros – com alambrado.  Segundo Germano, essa etapa é importante para garantir mais segurança e a manutenção da limpeza do local. 
 
Até o final do semestre, o Parque Chico Mendes vai receber aparelhos de alongamento. No mesmo convênio, está incluso o calçamento junto à Rua São Vicente. 
 
Essa etapa representa o investimento de R$ 385.568,45 advindos do Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo. Do montante, R$ 54.068,45 serão custeados pela Prefeitura, como contrapartida municipal. 
 
 
Academia ao ar livre
 
A Prefeitura está viabilizando mais equipamentos de alongamento e ginástica, junto ao Governo Estadual. A ideia é instalar a academia, dentro do Parque Chico Mendes, ainda neste semestre.