Município consegue licenças ambientais para construção de nova ponte

Meio Ambiente - Cotidiano Meio Ambiente - Destaques

O objetivo é dar mais uma opção para ligar as regiões da cidade

O prefeito Juvenal Rossi e o gestor João de Lima, da Unidade Gestora de Meio Ambiente anunciaram nesta segunda-feira (27), a aquisição de duas licenças importantes para construção de uma nova ponte em Várzea Paulista.

Rossi explica que a preocupação de interligar as regiões da cidade norteou a construção do Viaduto da Ponte Seca. Entretanto, ainda é preciso uma transposição para quem pretende transitar na Marginal sentido Campo Limpo Paulista para Jundiaí. Sendo assim torna-se necessária uma ponte para transpor o rio. Com as licenças aprovadas, está sendo iniciada a busca de recursos para tal ação.

“Essa transposição não é tão simples, porque precisávamos de licenças, que também foram difíceis de conquistar. Os órgãos de fiscalização ambiental, para assegurar que tudo é feito de maneira correta, solicitam uma série de vetores para que essas sejam concedidas. Agora, ter esses documentos em mãos é importante para que, quem vier depois de mim, possa dar continuidade a esse trabalho que começamos. Na região da Marginal temos muitas indústrias, que estão recebendo rede de esgoto no momento, e que também serão beneficiadas com essa nova ponte, além de dar possibilidade de novas indústrias se instalarem no município”, explica Rossi.

“As demandas são complexas, por exemplo, do CETESB sobre a intervenção na área de preservação, com levantamento e laudo de vegetação, para fazermos a compensação ambiental, a qual conseguimos a licença. E no que tange o curso da água, com o DAEE que faz o acompanhamento, fizemos um estudo para taxa de retorno, em que temos que prever o desenvolvimento da região e se pode ocorrer impermeabilização. Esse estudo também prevê chuvas intensas, nas quais a ponte não pode ser um obstáculo para passagem de água, que precisa ter vazão. Esse cálculo da taxa de retorno é efeito para 100 anos. E, graças a Deus, conseguimos a outorga”, esclarece Lima.