GCM Ambiental combate crimes ambientais em Várzea Paulista

Casa Civil - Destaques

Ocorrências envolvendo animais silvestres ultrapassam 50% dos registros

 

Com ações que vão desde controle de enxames de abelhas e marimbondos até combate a incêndios de grandes proporções, o trabalho da Guarda Municipal Ambiental vem ganhando grande destaque na região. “Em menos de um ano de atuação nós já atendemos mais de 200 ocorrências variadas, desde o resgate e soltura de animais silvestres, descarte de entulhos, desmatamento, multas, apreensões e combate a focos de incêndios.” Disse Pedro Eli, comandante da Guarda Civil Municipal.

 

 

 

O Posto de Atendimento Ambiental da Guarda Civil Municipal de Várzea Paulista, inaugurado a cerca de um ano, está localizado estrategicamente no Clube de Campo da Cica, no Bairro do Mursa, funciona 24 horas por dia, todos os dias do ano, e vem se tornando uma importante referência para a preservação ambiental na região.

 

 

Havia cinco anos que não aconteciam grandes incêndios na Serra do Mursa

 

 

Um dos mais importantes trabalhos da Guarda Ambiental é o de orientação da comunidade quanto a não utilização de fogo para limpeza de terrenos, não degradação do meio ambiente com obras e a prevenção da poluição na coleta de lixo. “O trabalho de prevenção e combate aos incêndios florestais é bem efetivo, tanto é que havia cerca de cinco anos que não ocorria incêndios de maior complexidade na Serra do Mursa, o que infelizmente aconteceu nesse fim de semana. Entretanto, o princípio do fogo aconteceu em Jundiaí e há fortes indícios de ter sido criminoso.” Disse o Coordenador da Defesa Civil de Várzea Paulista, Cristiano Vargas.

 

 

Esse combate a incêndios foi feito por uma Rede Integrada de Emergência, formada pela própria Guarda Ambiental Municipal, pela Defesa Civil e pelo Grupamento de Bombeiros Civis Voluntários. O incêndio iniciou por volta das 17 horas do sábado, dia 15, e só foi controlado na madrugada da segunda-feira, dia 17.

 

 

 

A Serra do Mursa é particular

 

 

A área atingida é parte de uma propriedade particular, de mais de dois milhões de quilômetros quadrados, pertencente à família Gut, uma das pioneiras da cidade de Várzea Paulista, portanto, por ser particular, é necessária autorização prévia para entrar lá, quem não tiver estará incorrendo em crime de invasão. Além de autorização, é necessário seguir algumas regras de conduta que preservem o meio ambiente e cause o menor impacto possível, o que nem sempre ocorre. “O maior problema é que, muitas vezes, visitantes provocam a degradação da Serra, pois além de deixarem para trás grandes quantidades de lixo, ainda acendem fogueiras que podem provocar incêndios.”. Disse João José de Lima, Gestor Municipal de Meio Ambiente de Várzea Paulista.