Várzea Paulista terá Cine Clube

Esporte e Lazer - Destaques
O projeto contará com exibição semanal de filmes de diversos gêneros
 
A Secretaria Adjunta de Cultura irá inaugurar no próximo dia 13 de maio (quarta-feira) o Cine Clube da cidade. A inauguração será às 19 horas e é aberta ao público. O objetivo do projeto é estimular a linguagem áudio visual e proporcionar aos munícipes oportunidades de conhecer diversos filmes, além de realizar debates e reflexões sobre eles. O Cine Clube ficará instalado no Centro Cultural Música e Arte, no Jardim Primavera e contará com a exibição de um filme por semana.
         
A inauguração terá como filme de estreia “Cinema Paradiso”. O filme italiano de 1988 foi escrito e dirigido por Giuseppe Tornatore e recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro no mesmo ano.  
         
O secretário adjunto de cultura José Moreira conta que a ideia é que exibir filmes de diversos gêneros (drama, comédia, romance, cine arte e outros). “Os participantes ajudarão a escolher os filmes que serão exibidos em cada semana”. As inscrições para participar do Cine Clube podem ser feitas no Centro Cultural, que está localizado na Rua Manoel Gonçalves, 220, Jardim Primavera.
 
 
O filme escolhido para a apresentação
 
A trama do italiano Giuseppe Tornatore realiza uma das mais belas declarações de amor ao cinema, e a bela história ficou imortalizada no gênero artístico-cultural. Salvatore Di Vita é um cineasta bem-sucedido que vive em Roma. Um dia ele recebe um telefonema de sua mãe avisando que Alfredo está morto. A menção desse nome traz lembranças de sua infância, e principalmente, do Cinema Paradiso para onde Salvatore, então chamado de Totó, fugia sempre que podia.
         
No começo ele costumava espreitar as projeções através das cortinas do cinema, e fazia companhia a Alfredo, o projecionista. Foi ali que Totó aprendeu a amar o cinema. Depois de algum tempo Totó deixa a cidade e vai para Roma, retornando somente trinta anos depois, por causa da morte de Alfredo, relembrando momentos de sua história e de sua introdução no universo fascinante do cinema.
        
 
Sala do Cine Clube levará o nome de Glauber Rocha
 
O nome escolhido para “batizar” a sala de projeções do Cine Clube de Várzea Paulista é o de Glauber Rocha. O cineasta e apaixonado por cinema era um dos incentivadores do cineclubismo no país. Glauber nasceu em março de 1939, em Vitória da Conquista, Bahia.
         
Mudou-se para Salvador onde seu talento e vocação para as artes performativas foram revelados. Participou de programas de rádio, grupos de teatro e cinema, escreveu e dirigiu peças. Iniciou uma breve carreira jornalística, em que o foco era sua paixão pelo cinema.
         
Escreveu e pensou cinema e pregava uma nova estética e uma revisão crítica da realidade. Por sua postura era visto pela ditadura militar, que se instalou em 1964 no país, como subversivo. Em 1971, com a radicalização do regime partiu para o exílio, de onde nunca retornou totalmente.
         
Em sua carreira se dedicou a cineclubismo e fundou uma produtora cinematográfica. Realizou diversos curtas-metragens. Destaca-se entre suas produções Deus e o Diabo na Terra do Sol (1963), Terra em Transe (1967) e o Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1964). As três produções são consideradas paradigmáticas e fazem uma crítica social feroz, além de utilizar uma forma de filmar característica do “Cinema Novo”, uma corrente artística nacional liderada por ele.
         
Para o poeta Ferreira Gullar, “Glauber se consumiu em seu próprio fogo”. Apesar de ter sido um incompreendido por seu tempo conquistou diversos prêmios, entre eles o da Crítica no Festival Internacional de Cinema de Acapulco, Cannes, Luis Buñuel, e o Golfinho de Ouro. Faleceu no Rio de Janeiro, em 1981, deixando reflexões e importantes mudanças no cenário cinematográfico brasileiro.