Visitas domiciliares auxiliam combate à dengue em Várzea Paulista

Saúde - Cotidiano
Busca ativa por focos do mosquito e orientação aos moradores fazem parte dos trabalhos realizados pelo Setor de Vigilância e Controle de Zoonoses
 
O trabalho de combate à dengue em Várzea Paulista tem envolvido um intenso esforço da Prefeitura, por meio do Setor de Vigilância e Controle de Zoonoses. Entre as ações com resultado mais efetivo estão às visitas domiciliares.
 
O trabalho já foi realizado nos bairros Santa Terezinha e São José. Nesta semana, os agentes atuaram na Vila Popular e a partir do dia 4 de maio as visitas terão prosseguimento no bairro Cidade Nova 2. 
           
De acordo com o coordenador técnico do setor de Vigilância e Controle de Zoonoses, Eder Lucio Carmanini, com as visitas é possível realizar uma busca ativa pelos criadouros e orientar a população a como inviabiliza-los.
 
“A pessoa deve fazer toda semana uma busca por toda a casa e no quintal, em busca de água parada”, informa. “Somente eliminando os criadouros conseguiremos combater a dengue. Por isso, é importante que a população colabore com este trabalho”, conta Eder. “Cerca de 80% dos criadouros estão dentro das residências”, informa. 
           
Segundo o coordenador, os focos mais conhecidos, como vasos de plantas e pneus já não são os principais pontos de criadouro. São os materiais inservíveis, como potes, tampas, embalagens plásticas, latas e até brinquedos os novos acumuladores de água. “Atualmente são os pequenos objetos os principais criadouros, mesmo com uma pequena quantidade de água, o mosquito pode se procriar”, relata. 
 
           
População deve colaborar
           
Para que o trabalho de visita domiciliar seja efetivado é importante que a população colabore com os agentes do Controle de Zoonoses. “A visita é simples e rápida. Observamos pontos mais comuns de acumulo de água, como prato de plantas, ralos e vasos sanitários sem utilização constante, canaleta do box do banheiro e uma vistoria geral pelo quintal”, explica o agente Masanori Uema. 
           
Uma das casas visitadas na última terça-feira (28) foi a do morador José Damião da Silva, que reside há 26 anos no bairro Parque Guarani. “Esse trabalho de vistoria da Prefeitura é fundamental. Sempre estou atento com o meu quintal, mesmo assim reconheço a importância das visitas nas casas para combater a dengue”, fala. 
   
 
Casos começam a diminuir
           
Eder explica que com a chegada do período frio, o número de casos começa a diminuir, como é possível ver na tabela abaixo, mas os cuidados devem ser permanentes. “A dengue é uma doença que deve ser combatida durante o ano todo”. 
 

 

Janeiro

Fevereiro

Março

Abril

Suspeitos

41

170

667

272

Confirmados

12

89

291

137

O coordenador ressalta que, apesar do número significativo de casos suspeitos, na maioria dos meses, menos da metade dos casos foram confirmados. Até o dia 27 de abril, o município contabilizou 1150 casos suspeitos, destes 277 tiveram resultados negativos e 532 positivos, sendo 5 casos importados.