Despoluição de córregos e do rio Jundiaí garantirão fornecimento de água em Várzea Paulista.

Casa Civil - Destaques
Várzea Paulista fará captação de água do rio Jundiaí 
 
A Prefeitura de Várzea Paulista checou, de perto, a qualidade da água do Rio Jundiaí, na Ponte Seca, na tarde da última segunda-feira (11). O objetivo foi conferir o correto início da captação de água, que será feita pela Sabesp, nas próximas semanas, para formação de uma reserva no período de estiagem. A obra é uma preocupação com a estiagem que atinge hoje o estado de São Paulo. 
 
O gerente da Sabesp em Várzea Paulista, Sydnei Tortolano, destacou que o trecho onde haverá a captação de água, acima (sentido Campo Limpo) do Viaduto dos Emancipadores, tem nível 3 de qualidade ambiental. A demonstração feita à Prefeitura mostra que a água poderá ser tratada na Estação de Tratamento de Água, do Jardim das Palmeiras, e tornar-se própria ao consumo humano. “A Sabesp tem feito constantes testes, e estudos garante a utilização da água do rio”, explicou.
 
O prefeito Juvenal Rossi destacou a importância do programa de captação da Sabesp, solicitado pela atual administração. Segundo o prefeito, não será necessário arcar com os custos da construção de um reservatório, e o município fica totalmente prevenido para futuras estiagens. “Todos reconhecem a importância de mananciais que possam abastecer a cidade, e esta obra vai garantir água em uma possível estiagem”. 
        
Trabalho preventivo
 
A água captada do Rio Jundiaí será levada, por meio de tubos, até a represa de abastecimento, localizada no Clube de Campo da cidade. De lá, vai ser bombeada para a ETA do Jardim das Palmeiras, de onde poderá ser retirada e novamente represada, se houver necessidade. Será possível captar 100 litros de água por segundo, a partir da próxima semana. A obra custará à empresa aproximadamente R$ 550 mil e tem o prazo estimado de duas semanas para a conclusão. A Prefeitura fiscalizará os trabalhos.
 
De acordo com o secretário de Infraestrutura Urbana, Renato Germano, trata-se de um fato histórico para a cidade.

A atual gestão municipal requisitou à empresa Sabesp um projeto para evitar problemas futuros de abastecimento de água. A Sabesp atendeu a solicitação,prontamente e apresentou uma solução, diz o secretário.
 
Segundo o engenheiro e gerente de setor técnico, Marcos Alexandre Uyehara, ainda não há preocupação de racionamento na cidade, mas a obra é uma forma de prevenir problemas futuros. “Existe a possibilidade de continuarmos sem chuva por mais um período. A obra é uma forma de garantir que a cidade não passe por um racionamento”.
Será possível, inclusive, tomar a mesma medida nos próximos anos, caso seja necessário, como explicou Tortolano. 
 
De acordo com o gerente de divisão de Campo Limpo Paulista da Sabesp, André Sotero, a captação só será possível graças a obras anteriores da empresa, em parceria com a Prefeitura. Entre elas, tem destaque a despoluição do Rio Jundiaí. Várzea Paulista conta hoje com 96% do esgoto tratado. “A despoluição é resultado de obras nos coletores tronco de córregos e construção de interceptor que leva esse esgoto coletado até a Estação de Tratamento. Com isso, 24 milhões de litros de esgoto são deixados de lançar diariamente no rio”.
 
Germano também destacou que a outorga (liberação para a captação de água) por parte do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), só foi possível em razão da atual qualidade da água. 
 
Para o prefeito Juvenal Rossi, essas intervenções são de extrema importância para o município. “São obras que trazem mais qualidade de vida a população e que hoje possibilitam a cidade essa captação que evitará o racionamento de água em Várzea Paulista”.