nome da pagina

O PROCON de Várzea Paulista se mantém atuante durante todo o final de semana

Na rede varejista nenhuma irregularidade foi encontrada. Na venda de botijão de gás, no domingo (27), proprietário de distribuidora foi notificado por abuso de preço

 

Os técnicos e o diretor jurídico do Procon de Várzea Paulista, continuaram ativos durante o sábado (26) e domingo (27) garantindo os direitos dos consumidores. A equipe esteve fiscalizando diversos supermercados da cidade, onde o objetivo era averiguar a atual situação do abastecimento de produtos e a possível alta no preço em alguns deles. Durante a vistoria nenhuma irregularidade foi encontrada nas redes varejistas, ao todo nove locais foram vistoriados. Algumas lojas optaram apenas pela redução do horário de atendimento (em duas horas) e outras anunciaram em cartazes que alguns produtos do setor de hortifrúti podem entrar em falta já no inicio desta semana, decorrente da greve dos caminhoneiros.

 

 

Já na fiscalização em distribuidoras de gás, um estabelecimento acabou sendo noificado no bairro Vila Popular, em razão do preço abusivo do produto. O botijão estava sendo comercializado a R$130, muito acima da tabela que é de R$ 59.

 

 

 

O Procon orienta o consumidor que se sentir lesado pelo preço abusivo praticado em alguns estabelecimentos comerciais, pode e deve procurar o órgão e registrar a denúncia, inclusive para serem ressarcidos. Basta comparecer a unidade do Procon (Prédio do Facilita – Rua João Póvoa – número 97/ Jardim do Lar. Das 9h às 16h) com nota fiscal do produto, RG e comprovante de residência.

 

 

As denúncias também podem ser feitas pelo site da Fundação PROCON SP. www.procon.sp.gov.br – 24 horas.

 

 

O diretor jurídico do PROCON de Várzea Paulista, Ricardo Rodrigues destaca que a medida de ir às ruas e vistoriar e orientar as redes comerciais da cidade é uma determinação do próprio prefeito Juvenal Rossi, para garantir que nenhuma irregularidade seja praticada no município,       “Vamos seguir atuantes para se cumprir os direitos dos consumidores, buscamos também orientar as redes para ter esse controle de preços, é um momento de cautela e de muita transparência, é tudo pelo bem comum”, finalizou Rodrigues.